Skip to content

Falta de vitamina D causa problemas físicos e cognitivos

Segundo estudos recentes publicados nos Estados Unidos, cerca de 10% da população de países desenvolvidos, ou em desenvolvimento, possui deficiência de Vitamina D. Esta deficiência eleva em aproximadamente quatro vezes as chances de quedas, fraturas ósseas, sintomas depressivos, câncer de cólon e problemas cognitivos (de memória e da capacidade de raciocínio).

A Vitamina D protege o fluxo sanguíneo e limpa o organismo de toxinas, incluindo as proteínas amiloides associadas à doença de Alzheimer, promovendo um melhor funcionamento do organismo como um todo. A grande maioria das pessoas deficientes de Vitamina D apenas irão apresentar sintomas na idade adulta, sobretudo na terceira idade (a partir dos 65 anos). Por isso, tomar cuidado com a falta desse nutriente vital para o nosso organismo é importante desde a juventude.

Um exame simples de sangue (250H Vit. D3) detecta níveis de Vitamina D e deve ser solicitado por um médico, sobretudo na presença de sinais e sintomas de carência desse nutriente. As queixas mais comuns são dores ósseas (latejamento/desconfortos) na coluna lombar, quadril e pernas e dor e fraqueza na musculatura dos braços.

Existe também um risco aumentado de quedas e osteoporose. Muitos pacientes também se queixam de fraqueza e desânimo.

Ausência do nutriente é causadora ainda de fraturas, depressão e dor nos músculos.

Fatores de risco associados à deficiência de Vitamina D

  • Idade superior a 65 anos
  • Pele negra
  • Insuficiente exposição à luz solar
  • Medicamentos (anticonvulsionantes e corticoides)
  • Obesidade (índice de massa corporal superior a 30)
  • Falta de atividade física

Benefícios da suplementação de vitamina D

Ao certificar-se de que está ingerindo quantidades diárias recomendadas à sua faixa etária, você está prevenindo problemas futuros de quedas, osteoporose, fraturas e doenças cardiovasculares (infarto, trombose e derrame cerebral).

Outros benefícios são a melhora da capacidade física (aumento da disposição e do ânimo) e uma menor chance apresentar problemas cognitivos (demência senil e Mal de Alzheimer) na terceira idade, a prevenção do câncer de cólon e de sintomas depressivos.

Alimentos ricos em Vitamina D

Óleo de peixe – 400 miligramas por colher de chá.

Gema de ovo – 20 miligramas por unidade

Salmão fresco -100 a 250 miligramas por 100 gramas.

Sardinha e atum – 200-300 miligramas por 100 gramas

Leite de soja – 200 miligramas (um copo)

Para prevenir a deficiência de vitamina D em pessoas com exposição solar inadequada, recomenda-se uma dieta rica em vitamina D que varia conforme a faixa etária. O tratamento da deficiência consiste em suplementação oral por cerca de oito semanas.

-Bebês- 400 miligramas

-Crianças e Adolescentes 400 miligramas

-Adultos com menos de 51 anos 400 miligramas

-Maiores de 51 anos 600 miligramas

Observação: Qualquer dosagem acima ou abaixo do usual deve ser com acompanhamento médico ou nutricional.

Informação do Autor:

Nutricionista – Marisa Bampa Thompson 

Graduada em Nutrição Clinica pela Universidade de São Paulo e Universidade São Camilo -CRN3 10324-2

  • Nutricionista do Instituto Paulista de Ginecologia e Obstetrícia – IPGO;
  • Nutricionista do Instituto Conceive

Seja o primeiro a comentar

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *